O conhecimento dos perigos que afetam o território e a sua localização, alcance e efeitos disseminados é fundamental para definir um quadro de ação para adaptação às alterações climáticas que se adequar à previsível severidade e recorrência dos perigos.

Entre as principais vantagens associadas à utilização de um processo de caracterização de risco, destacam-se as seguintes (ANPC, 2009):

  • Proporciona um melhor conhecimento do risco;
  • Promove a tomada de decisão sobre o risco e afetação de recursos;
  • Reduz os graus de risco para a população, os bens ou o ambiente;
  • Enfatiza as atividades de prevenção e mitigação do risco.

O processo de avaliação de riscos assenta em três conceitos fundamentais, designadamente:

  • Suscetibilidade;
  • Elementos expostos;
  • Localização do risco.

A CIM Cávado encontra-se neste momento na fase final da elaboração as seguintes cartas:

  • Carta de risco de incêndio florestal/ rural;
  • Carta de risco de cheias e inundações;
  • Carta de risco de movimento de vertentes;
  • Carta de riscos tecnológicos;
  • Carta de elementos expostos.