Procuramos dar continuidade às ações de informação e sensibilização desenvolvidas em parceria com a AEC, à promoção de novas Jornadas técnicas de informação “Viver a Reabilitação 2016” e à promoção de ciclos Conferências e Workshops, reservando para 2016 as temáticas da “Microgeração, Minigeração e Auto-consumo” e do “Cadastro Florestal em Zonas de Risco e Espécies Invasoras nos Rios”. Para a sua cobertura e divulgação pública contamos naturalmente com os órgãos de comunicação social regionais, aos quais pretendemos lançar o desafio de formatar um modelo de parceria que vise a melhor promoção conjunta da NUT III Cávado, com impacto a nível de atração turística, e que poderá ser executada através da difusão de publicidade, notícias, reportagens e press trips com os grupos de comunicação existentes na região.

Ainda neste âmbito, e em estrita ligação com o projeto Minho IN já abordado neste documento, garantimos a participação e promoção conjunta do território e de cada concelho nos seguintes eventos de nível nacional e internacional BTL 2016, EU Open Days e FITUR 2016.

Aproveitando a visibilidade pública do plano de comunicação, dinamizamos uma rede intermunicipal de sensibilização e envolvimento do tecido empresarial em práticas de responsabilidade social por via do apoio a projetos ou iniciativas desenvolvidas por organizações do território.

Durante o ano 2016 foram assumidos dois novos desafios pela divisão administrativa e financeira, a saber: a adaptação ao novo Sistema de Normalização Contabilística e a criação de Unidade de Gestão e Preservação do Património Imobiliário o qual teve um incremento significativo com a transferência da universalidade da Assembleia Distrital de Braga para a CIM Cávado. A este nível merece destaque o edifício sede da CIM Cávado cuja auditoria energética está já concluída, e pronta a ser submetida a financiamento no PDCT/Norte2020. Quanto aos restantes edifícios, os princípios da boa gestão pública, impõem a realização de uma avaliação para posterior afetação dos imoveis às funções que promovam a melhor rentabilização dos seus espaços e rendas, ao mesmo tempo que se defende a preservação e uso do património. Ao mesmo tempo deverão ser promovidas as obras de reparação necessárias à conservação e funcionamento do património.

Finalmente, e porque estamos certos da sua importância para a qualidade do serviço prestado, pretendemos em 2016 dar continuidade aos procedimentos inerentes à manutenção do selo de qualidade da Estrutura de Apoio Técnico da CIM Cávado, agora direcionado para a gestão do PDCT do novo Quadro Comunitário. Recorde-se que este processo iniciou-se em 2012, e a primeira Certificação da Qualidade foi atribuída em 2013, através da realização de auditorias ao Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) implementado.

Será efetuada a revisão do SGQ, bem como assegurado o tratamento de dados para a melhoria contínua e ajuste das metodologias implementadas, tendo em conta as alterações institucionais decorrentes do novo Quadro Comunitário de Apoio.