Criado em 2010, iniciativa “No Poupar Está o Ganho!” visa preparar nova geração de consumidores para enfrentar cenários financeiros complexos

O projeto de educação financeira “No Poupar Está o Ganho”, vai pela primeira vez ser implementado nas escolas públicas dos Municípios da Comunidade Intermunicipal do Cávado, durante os anos lectivos de 2018 a 2020.

Concebido em 2010 pela Fundação Dr. António Cupertino de Miranda, este projecto visa promover a literacia financeira na comunidade estudantil, tendo formado desde então mais de 11.500 alunos do primeiro, segundo e terceiro ciclos do Ensino Básico e Secundário.

A sessão de apresentação desta iniciativa acontece amanhã, dia 5 de janeiro, pelas 14h00, na Casa do Conhecimento de Vila Verde, e irá contar com a presença dos promotores do projecto – CIM Cávado, representada pelo Vice-Presidente, Dr. António Vilela, pela entidade que irá implementar o projecto nos Agrupamentos Escolares – Fundação Cupertino de Miranda, representada pela sua Presidente, Maria Amélia Cupertino de Miranda, pelas Vereadoras de Educação dos Municípios e representantes da Comunidade Escolar do 1.º Ciclo dos Agrupamentos de Escolas do Cávado.

Este projecto tem sobretudo como principais objectivos transferir conhecimento para capacitar jovens a tomar decisões financeiramente corretas, criar uma nova geração de consumidores informados e incluir a educação financeira nos projetos educativos para com isso promover a mudança de vida de todos os envolvidos (alunos, pais e professores).

Numa altura em que as estatísticas revelam que uma em cada quatro pessoas vive num estado de pobreza e que em Portugal o nível de endividamento das famílias portuguesas tem vindo a registar valores próximos dos 130% do rendimento disponível, torna-se cada vez mais premente apostar em políticas e projetos que contribuam para a solução deste problema. Um facto reforçado pelo World Economic Forum que considerou, no balanço de março de 2016, a literacia financeira como uma das cinco competências essenciais no quotidiano dos alunos do século XXI. Foi neste contexto que a Fundação desenhou um projeto de educação financeira que procura responder à necessidade de preparar os jovens, e não só, para enfrentar cenários financeiros cada vez mais arriscados e complexos.

Educação financeira: um tema transversal a toda a sociedade
O projeto – que tem como parceiros institucionais a Universidade do Porto, através da Faculdade de Economia e o Banco de Portugal – desenvolve-se ao longo de todo o ano letivo e inclui igualmente formação para professores, de modo a que estes estejam preparados para transmitirem os principais conceitos de educação financeira aos seus alunos.

“No Poupar está o ganho” tem vindo a mostrar que a importância da educação financeira é tão grande que, além de estimular os jovens a terem boas práticas no uso do dinheiro, deve envolver todos os atores da sociedade, desde empresários, comunicação social, decisores políticos, entre outras entidades.

Projeto “No Poupar Está o Ganho” mediu impacto social na vida real das crianças e suas famílias

Este projeto foi objeto de um estudo, realizado em 2017 pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, com vista a medir o seu impacto social. Participaram na investigação 2.309 crianças.

O estudo revelou que as crianças que participaram no programa (em contraste com as do grupo de controlo) se tornaram mais capazes de tomar/identificar decisões adequadas em diferentes dilemas comuns na gestão quotidiana dos recursos financeiros. Por exemplo, abdicar da aquisição de um bem porque este é mais desejado do que é necessário ou é de duração éfemera. Registou-se igualmente uma mudança significativa na identificação das diferentes alternativas existentes para a resolução de um problema familiar que requer dinheiro imprevisto e, de entre elas, escolher as mais adequadas. Por exemplo, para fazer face a um acidente ou a um problema de saúde, tomar decisões entre um empréstimo, um seguro, uma poupança, etc.

A investigação envolveu igualmente quase dois mil pais, sendo que também estes conseguiram perceber alterações no comportamento dos seus filhos. Após serem expostos ao programa de literacia financeira, pais e mães inquiridos afirmam que as crianças estão mais conscientes, preparadas, motivadas e curiosas relativamente à gestão quotidiana do dinheiro da família. A par disso, são agora capazes de identificar melhor uma necessidade e um desejo, o essencial e o supérfluo, e o que é e para que serve a poupança. No que toca à relação entre promoção de literacia financeira e promoção de desenvolvimento psicossocial, as crianças que participaram no projeto da Fundação Dr. António Cupertino de Miranda passaram a expressar emoções mais positivas face a expetativas pessoais que não se realizam devido à necessidade de gestão dos recursos familiares, e também maior compreensão/empatia relativamente a decisões dos pais sobre os recursos financeiros familiares.